GPS, dados de telefonia, mapas e geotecnologias - Instituto Prístino

GPS, dados de telefonia, mapas e geotecnologias

Atualmente tem-se falado muito sobre o monitoramento dos deslocamento de pessoas pelas cidades. Com a Pandemia da Covid-19, existem níveis de distanciamento social que deveriam ser atingidos. Para medir esse distanciamento vários tipos de tecnologias podem ser utilizadas. As grande cidades, por exemplo, contam com câmeras, sensores e até mesmo equipes distribuídas em pontos estratégicos que podem medir os deslocamentos de pessoas. Contudo, a maior parte das cidades não conta com tal infra-estrutura.

Figura 1 – Sensores de tráfego. Equipamento para contagem de veículos. Fonte: google imagens Acesso em 11-05-2020.

Para sanar este problema, as geotecnologias desempenham papel fundamental. Assim como em levantamentos diversos em campo, como mapeamento de fauna e flora, georreferenciamento de imóveis, entre outros, o Sistema de Posicionamento Global (GPS), pode ser utilizado. O GPS é um sistema global de posicionamento que conta com satélites, estações em terra e aparelho coletor (Figura 2). Esse sistema pode nos dar a posição, em casos mais simples, com uma precisão que varia entre 3  e 10 metros.

Figura 2 – Funcionamento do Sistema GPS. Os satélites comunicam com um componente de controle, responsável por manter a estabilidade e o posicionamento dos componentes espaciais. Quando o usuário busca sua posição, com a utilização de um aparelho munido de sensor GPS, este faz uma triangulação ao comunicar com, no mínimo, 4 satélites. Através da relação entre velocidade e tempo, encontra-se a distância do usuário para os satélites e, em seguida, calcula-se sua posição.

A partir dos dados GPS dos celulares, os usuários podem fornecer dados para amostra. O acesso a este dado pode, então, dar informações sobre o deslocamento de pessoas no território. Mas o que acontece se o sensor de localização do celular estiver desligado? Muitas vezes, as pessoas desabilitam esse recurso, seja para manter certa privacidade ou para economizar bateria dos dispositivos móveis. Para ultrapassar essa barreira, um outro recurso que está presente em todos os celulares, inclusive aqueles que vieram antes dos smartphones, é utilizado. Através da transmissão do sinal de telefonia, é possível calcular a posição e o deslocamentos dos aparelhos e, consequentemente, de seus donos.

Este dado está com as operadoras de celular e são considerados dados sensíveis, para ter acesso aos mesmos, de forma legal, existem trâmites burocráticos que devem ser realizados. Mesmo assim, o método para calcular a posição é exatamente o mesmo do GPS: a partir de um ponto (usuário), é medida a distância para três outros pontos conhecidos (antenas), desta forma é possível saber, com alta precisão, a posição e também os deslocamentos do usuário (Figura 3).

Figura 3 – Posição via antenas de celular, que podem ou não contar com o suporte de satélites. O princípio de cálculo da posição é similar àquele feito quando do uso do GPS. Fonte imagem: https://www.oficinadanet.com.br/artigo/1185/o_que_e_a-gps . Acesso 11-05-2020.

Uma simulação do que pode ser feito está na Figura 4, que mostra a localização das antenas de celular em Minas Gerais (ANATEL,  2017). O kml das posições das antenas foi carregado no Atlas Digital Geoambiental de Minas Gerais, mostrando a espacialização das antenas. A partir delas é possível calcular a posição dos usuários. Lembrando que aqui é apenas uma ilustração didática, uma vez que o acesso aos dados dos usuários é restrita!!

Figura 4 – Espacialização da localização das antenas de Celular em uma porção de Belo Horizonte, referentes a 2017. Fonte do dado: Anatel, 2017.

 O uso de dados de celular ganhou um importante destaque  no monitoramento da Covid-19. Tais dados podem ser fontes de informações para gerar modelos como: a) uso de dados de localização agregados e anonimizados; b) monitoramento individual da circulação de cada indivíduo; e c) monitoramento e exposição em mídias sociais de todas as pessoas infectadas. A cidade de São Paulo já tem feito este tipo de monitoramento em parceria com as operadoras (Figura 5). Desta forma, conseguem medir os deslocamentos de todos os usuários que possuem um aparelho celular, independente da ativação do sensor GPS. Belo Horizonte também adotou tecnologia similar.

Esta é mais uma aplicação que pode ser feita com o uso de geotecnologias, aí incluídos satélites, geoprocessamento e mapas. O monitoramento pode ser utilizado para que se tomem medidas adequadas e focadas nas regiões de maior aglomeração e contribuindo para a contenção da disseminação do vírus.

Figura 5 – Mapa resultante da modelagem do uso de dados de coletados de serviços de celular para demonstrar a taxa de deslocamento de pessoas por bairro, em São Paulo . Fonte imagem: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2020/04/08/governo-de-sp-usa-dados-de-celulares-para-localizar-aglomeracoes.ghtml . Acesso 11-05-2020.