Sítio Arqueológico Abrigo do Esmeril - Instituto PristinoInstituto Pristino

Sítio Arqueológico Abrigo do Esmeril

3D. ARQUEO

O Vale dos Gigantes: Bacia do rio Peixe Bravo, Riacho dos Machados – MG

Vista geral do abrigo:

Detalhe do Painel A:

Detalhe do Painel C:

Detalhe do Painel D:

O sítio arqueológico Abrigo Esmeril se localiza no vale do corrego Esmeril, afluente da margem direita do rio Peixe Bravo, município de Riacho dos Machados/MG. É um conjunto de quatro abrigos sob rocha com pinturas rupestres ao longo de uma mesma escarpa ferruginosa. O maior abrigo, denominado Abrigo IV, contém a maior quantidade de figuras. É nele, também, que se desenvolve uma caverna que caracteriza uma paleotoca.

A área abrigada representada no primeiro modelo, acima, possui mais de dez metros de comprimento, cerca de seis metros de largura e até 12 de altura, e contém ao menos sete paineis com pinturas rupestres, totalizando entre 60 e 90 figuras visíveis. No modelo, foram indicados cinco painéis. A estes, somam-se inúmeras outras figuras parcialmente visíveis devido ao crescimento de líquens sobre a rocha pintada.

O segundo modelo representa o Painel C, de posiçao central no Abrigo.

O painel C possui teto inclinado e se localiza a, no máximo, um metro e meio do piso rochoso. Em razão disto, para se observar as pinturas rupestres em detalhe no sítio, é preciso agachar-se ou sentar-se embaixo dele.

Podem ser observadas figuras geométricas pintadas em cores vermelhas e amarelas, dispostas em alternancia (bicromia).

Notam-se também, figuras feitas com uma só cor, predominantemente vermelha, mas também em amarela e alaranjada.

A rocha sobre a qual foram feitas as pinturas é diamictito ferruginoso, que forma superfícies aplainadas de pequena extensão em paredes e tetos inclinados. Algumas partes das superfícies são compostas também por concreções ferruginosas irregulares.

Este sítio caracteriza o segundo sítio com arte rupestre em abrigo ferruginoso registrado em Minas Gerais, sendo o que tem maior número de figuras pintadas. Daí vem sua relevância para a conservação.

 

Fontes:

O modelo foi realizado por meio de fotografias digitais obtidas em campo durante Pesquisa Científica realizada pelo Instituto Prístino, posteriormente processadas em softwares livres.

Fotografia: Rogério Tobias Junior

Processamento do modelo: Rogério Tobias Junior

 

Data de finalização: 19/03/2017

Data de inclusão online: 19/03/2017

 

Outras informações sobre o sítio arqueológico e seu contexto:

  • Carmo, F.F.; Campos, I. C. ; Carmo, F.F. ; Tobias Junior, R. . O Vale Do Peixe Bravo: Área Prioritária Para A Conservação Dos Geossistemas Ferruginosos No Norte De Minas Gerais. Geossistemas Ferruginosos Do Brasil: Áreas Prioritárias Para Conservação Da Diversidade Geológica E Biológica, Patrimônio Cultural E Serviços Ambientais. 1ed.: , 2015, V. 1, P. 497-520.
  • Buchmann, F.S. ; Carmo, F.F.; Jacobi, C. M. ; Ferreira, V. M. S. ; Frank, H.T. . Paleotocas desenvolvidas em rochas ferruginosas: importante registro da megafauna no norte de Minas Gerais. In: Carmo, F.F. & Kamino, L.H.Y.. (Org.). Geossistemas Ferruginosos do Brasil: áreas prioritárias para conservação da diversidade geológica e biológica, patrimônio cultural e serviços ambientais. 1ed.Belo Horizonte: 3i, 2015, v. 1, p. 149-167.